• Santuário Santa Rita de Cássia
  • Notícias Gerais
     
     
    31.Mar - Papa aos cristãos do Marrocos: Não se trata de ser numerosos, mas fiéis ao Evangelho

    Papa Francisco no seu segundo dia no Marrocos afirmou que uma pequena comunidade cristã, como a que existe neste país de maioria muçulmana, não deve ser insignificante por não serem a massa ou por não ocupar todos os espaços, sua maior contribuição consiste em ser sempre fiel ao Evangelho.


     


    No encontro com sacerdotes, religiosos, consagrados e membros do Conselho Ecumênico das Igrejas, neste domingo 31 de março, na Catedral de Rabat, no Marrocos, o Santo Padre observou que "os caminhos da missão não passam pelo proselitismo, que sempre leva a um beco sem saída, mas para o nosso modo de estar com Jesus e com os outros ".


     


    Portanto, "o problema não é sermos poucos, mas insignificantes, que venhamos a tornar-nos um sal que não tem sabor do Evangelho, ou em uma luz que já não ilumina."


     


    Nesse sentido, rechaçou a ideia de que os cristãos só vão ser significativos se forem "a massa e se ocupamos todos os espaços".





    Ele insistiu que "somos cristãos porque fomos amados e encontrados, e não graças ao proselitismo".



     


    Francisco reconheceu que "os cristãos são pequenos grupos neste país" e explicou que "para mim isso não é realmente um problema, apesar de eu reconhecer que às vezes a vidapode ser difícil para alguns."


     


    Papa para a parábola evangélica do fermento que se refere a afirmar que a comunidade cristã de Marrocos "é como um pouco de fermento que a Mãe Igreja quer misturar com um monte de farinha, até que fermenta toda a massa".


     


    A razão para essa explicação é que "Jesus não nos escolheu e nos enviou para sermos os mais numerosos. Ele nos chamou para uma missão. Colocamos na sociedade essa pequena quantidade de fermento: o fermento das bem-aventuranças e amor fraternal, onde todos como cristãos podemos nos encontrarmos para que Seu Reino se torne presente".


     


    "Nossa missão de batizados, sacerdotes, pessoas consagradas não é determinada principalmente pelo número ou o número de espaços que ocupam, mas pela capacidade de gerar e provocar a transformação, estupor e compaixão; pela maneira como vivemos como discípulos de Jesus, junto com aqueles com quem partilhamos as diárias alegrias, tristezas, sofrimentos e esperanças ".


     


    Portanto, dadas as características da comunidade cristã em Marrocos, o Papa recomendou diálogo para os membros da Igreja. "Dizer que a Igreja deve entrar em diálogo não depende de uma moda, e muito menos de uma estratégia para aumentar o número de seus membros."


     


    "Se a Igreja deve entrar em um diálogo é por sua fidelidade ao seu Senhor e Mestre, que, desde o início, movido pelo amor, quis falar-nos como um amigo e convidar-nos a partilhar a sua amizade”, ressaltou.


     


    O Papa encerrou seu discurso com um apelo à caridade "especialmente para com os mais frágeis, esta é a melhor oportunidade que temos de seguir trabalhando por uma cultura de encontro".


    Fonte: ACI Digital

    Indique a um amigo
     
     
    Contato
  • Santuário Santa Rita de Cássia


    Rua Padre Dehon, 728 Hauer – Curitiba/PR
  • (41) 3276-2075 ou (41) 3278-6557
  • contato@santuariosantaritadecassia.com.br
  • instagram twitter
     
    Patrocinadores
     

    Copyright © 2019 Santuário Santa Rita de Cássia. Todos os direitos reservados.