• Santuário Santa Rita de Cássia
  • Notícias Gerais
     
     
    31.Jan - Francisco aceita convite da Universidade Loyola de Chicago e da CAL para ouvir jovens migrantes

    Padre Modino - CELAM


    Algo que começou como uma brincadeira em uma conversa com Emilce Cuda, convidada pela Universidade Loyola de Chicago para uma conferência sobre o processo sinodal. É assim que Miguel Díaz vê algo que pode ser considerado histórico, a participação do Papa Francisco em um diálogo com estudantes universitários da América do Norte, Central e do Sul que será realizado virtualmente no dia 24 de fevereiro.


    Como disse a chefe do escritório da Comissão para a América Latina em entrevista à revista American Magazine, ela propôs "uma ação sinodal envolvendo estudantes universitários migrantes da América do Norte e do Sul", procurando refletir e resolver as causas profundas da migração. Mas ela também queria envolver os estudantes na busca de soluções em cada país, abordando também as causas estruturais da migração.


    Diante da proposta de convidar o Papa, considerada por muitos inicialmente rebuscada, a teóloga argentina não a jogou pela janela, amadureceu-a e decidiu escrever-lhe uma carta, que, para sua surpresa, recebeu a seguinte resposta em 20 de dezembro: "Sim, eu participarei, mas você deve me ajudar".


    Segundo Miguel Díaz, este é um projeto cujo lema é "Escutar para Agir", e que começará com aqueles que vão participar do encontro com o Papa ouvindo os projetos de outros estudantes, para o qual foram organizados sete grupos diferentes, três nos Estados Unidos e Canadá, e o restante na América Central e América do Sul, onde os estudantes vão compartilhar projetos específicos através do intercâmbio.


    O professor da Cátedra de Serviço Público da Universidade Loyola de Chicago insiste em agir, "porque não podemos permanecer na teoria, o que está iniciando agora é um começo, não apenas um evento, de colaboração entre estudantes universitários das Américas, cujos projetos educacionais podem e devem contribuir para responder aos desafios enfrentados por nosso continente".


    Díaz destaca a grande participação das universidades jesuítas em todo o continente, onde em um encontro com um Papa jesuíta, a linguagem do misticismo de Santo Inácio de Loyola, que é a espiritualidade do Papa, se expressa em ver, discernir e agir. Para o professor, "o Papa acompanhará e ouvirá os projetos concretos dos jovens", especialmente os estudantes migrantes ou filhos de migrantes, que também compartilham a história familiar do Papa como filhos de migrantes.


    Em segundo lugar, ele diz que "o Papa vai discernir com os jovens o valor destes projetos para a construção de uma realidade continental mais justa", algo que vai além do encontro virtual de uma hora e meia que os estudantes terão com o Papa, que Miguel Díaz vê como o início do discernimento. Um terceiro ponto é que "o Papa encorajará e apoiará os jovens a agir pelo bem comum, respondendo aos desafios que enfrentamos no continente americano, migração, pobreza, crise ambiental, violência, etc.", buscando assim respostas concretas.


    O professor reflete sobre a relação de tudo isso com a dimensão sinodal, com o convite que o Papa nos faz para assumirmos um compromisso de escuta. Neste sentido, ele cita uma frase do Papa na abertura do atual Sínodo, que eles utilizam para descrever este projeto que empreenderam, onde Francisco diz que "na experiência sinodal, não nos deixemos abater pelo desencanto, não diminuamos a profecia e não acabemos reduzindo tudo a discussões estéreis". É por isso que ele insiste que este tipo de discussão tem que produzir uma mudança, uma ação concreta.


    Uma dessas ações concretas, na opinião do ex-embaixador dos EUA junto à Santa Sé, é construir pontes, pois "o ser sinodal é um ser relacional, um ser que procura construir pontes", algo presente neste projeto organizado pela Universidade Loyola de Chicago em colaboração com a Pontifícia Comissão para a América Latina, que procura oferecer soluções concretas para os desafios do continente.


    Ninguém sabe ao certo o que poderia ter levado o Papa Francisco a aceitar este convite, mas Miguel Díaz diz que "como teólogo e filósofo, o Papa invoca o Espírito Santo, e o Espírito Santo está sempre associado ao ato de renascimento, de um novo começo". Sem querer dizer que é isso que o Papa está pensando, ele aponta que "a juventude é o símbolo desse renascimento, desse futuro, dessa possibilidade, dessa esperança". De sua experiência como professor, ele reconhece que "os jovens trazem novas ideias, trazem novas energias, trazem novas contribuições, trazem novas receitas, trazem novas possibilidades que talvez não tenham sido consideradas e que devem ser consideradas".


    Por esta razão, ele insiste que as contribuições intelectuais e práticas que os jovens podem nos oferecer nascem da experiência vivida, pois eles foram vítimas de violência, racismo e situações de desigualdade em muitos países, algo que tem aumentado com a pandemia e a crise ambiental. A partir daí, ele não hesita em ver os jovens como "um ponto-chave para a renovação da sociedade e para novas receitas que obviamente precisamos se quisermos responder aos desafios que nos cercam".


    O fato destes jovens serem migrantes, algo vivido por alguém que é cubano-americano, marcado pelo deslocamento e sofrimento que vem com a saída da terra do próprio nascimento, os ajustes culturais, ter que aprender outra língua, ter que escolher entre diferentes culturas e valores, é uma forma de prestar atenção às contribuições que estes estudantes podem nos dar, a partir de sua própria história marcada por viver "fazendo pontes em sua vida diária".


    A ideia é que estas histórias pessoais, que em muitos casos inspiraram seus estudos, podem ser oferecidas à sociedade em geral como possibilidades de construir pontes entre diferentes comunidades, pessoas e partes do continente. Díaz considera extremamente importante a experiência de vida dos latinos nos Estados Unidos e suas contribuições à sociedade, insistindo na urgência de destacar essas vozes, pois "muitas vezes as contribuições de migrantes e filhos de migrantes não são valorizadas".


    Recordando seu serviço como embaixador, ele relata os eventos que realizou, chamados "Construindo Pontes", voltados para jovens estudantes universitários. Neles ele procurou encontrar nos jovens "novas receitas diplomáticas", que tomaram a forma de trabalho com estudantes internacionais vindos para a Itália de países em conflito. Esta foi uma "diplomacia popular" na qual os jovens ofereceram aos líderes mundiais novas receitas para responder aos desafios do mundo. Em sua opinião, "os jovens podem estar mais abertos para rejeitar esses preconceitos, essa violência, todas aquelas construções sociais que criam muros relacionais que impedem o encontro com o outro".


    Isto pode ajudar os líderes dos países a aprender a ser líderes, segundo o ex-embaixador, oferecendo uma maneira diferente de exercer a liderança, que vem da escuta, especialmente dos marginalizados, daqueles que sofrem, que não têm os privilégios que outros veem como naturais. Somente o futuro dirá como este projeto se materializará, mas a possibilidade deste tipo de encontro, de colaboração entre universidades é "uma possibilidade muito positiva para o que é a construção de uma nova visão para criar novos líderes, para responder aos desafios intercontinentais que nos cercam".


    De seu entusiasmo, que ele compartilha com outros, e sem cair na idealização, Miguel Díaz vê este projeto como algo que poderia ser "uma receita importante a ser considerada para nosso continente, capacitando vozes jovens e os projetos concretos de jovens que podem nos oferecer novas receitas para a construção do bem comum".


    Fonte: Vatican News

    Indique a um amigo
     
     
    Contato
  • Santuário Santa Rita de Cássia


    Rua Padre Dehon, 728 Hauer – Curitiba/PR
  • (41) 3276-2075; (41) 3278-6557 ou (41) 98778-1840
  • santuariodasrosasctba@hotmail.com
  • instagram twitter
     
    Patrocinadores
     

    Copyright © 2022 Santuário Santa Rita de Cássia. Todos os direitos reservados.