• Santuário Santa Rita de Cássia
  • Notícias Gerais
     
     
    25.Out - Há 76 anos nascia a ONU com o objetivo da paz mundial

    Giancarlo La Vella – Vatican News


    Assim que a dor e a destruição causadas pela Segunda Guerra Mundial terminaram, a comunidade internacional perguntou-se como garantir ao planeta um futuro pacífico e como promover os valores liberal-democráticos. Com base na experiência anterior da Sociedade das Nações pós Primeira Guerra Mundial, que infelizmente falhou, as potências vencedoras iniciaram o processo de criação da ONU, a maior organização intergovernamental da atualidade, em 24 de outubro de 1945. Fazem parte 193 Estados membros, com dois observadores permanentes: a Santa Sé e o Estado da Palestina. O último a aderir é o Sudão do Sul, em 14 de julho de 2011. Foi nesse período imediato do pós-guerra que a paz foi encarada como um bem essencial a ser concretizado, a fim de olhar para um futuro de bem-estar para o mundo inteiro. Todo 24 de outubro marca o Dia das Nações Unidas, para não esquecermos os objetivos para os quais o organismo, sediado no “Palácio de Vidro” em Nova Iorque, foi fundado.


    O sonho da paz global


    Olhando para trás, 76 anos sob a égide das Nações Unidas, deve ter-se em mente que não houve novos conflitos generalizados, mas a ONU continua empenhada em trabalhar pela paz face às dezenas de micro-conflitos de magnitude variável que ocorrem no nosso tempo. A "guerra mundial em pedaços", como definida várias vezes pelo Papa Francisco, requer um esforço ainda maior da ONU, que deve ultrapassar novos obstáculos para afirmar o seu papel de mediador nas crises internacionais. Segundo Luciano Bozzo, professor de Relações Internacionais na Universidade de Florença, entrevistado pela Rádio Vaticano – Vatican News, as dificuldades da ONU em ter um impacto positivo nas crises atuais residem no fato de que "hoje quase praticamente não existem conflitos entre Estados, mas os conflitos globais não desapareceram", ou seja, as situações que põem a paz em risco ocorrem dentro dos Estados. Vários países da América Latina, Etiópia, Afeganistão, Somália e Nigéria são apenas alguns exemplos. Para as Nações Unidas, portanto, diz o professor Bozzo, "é muito complexo entrar no corpo das estruturas estatais", a fim de reduzir a intensidade dos conflitos sem entrar em conflito com a soberania dos próprios Estados.


    Os novos desafios


    E hoje, a manutenção da paz não depende apenas de evitar o uso de armas, dando lugar aos instrumentos diplomáticos que a comunidade internacional possui, mas também de enfrentar outras emergências que, por sua vez, podem ser uma causa direta ou indireta de conflito. Luciano Bozzo recorda os conceitos expressos pelo Papa Paulo VI, tais como "o novo nome da paz é desenvolvimento". Esta frase salientou o fato de as guerras terem sido frequentemente o resultado do subdesenvolvimento e de condições econômicas difíceis. Ao mesmo tempo, hoje, a salvaguarda do planeta", diz o professor, "tem laços estreitos com a segurança e a paz globais. Se condições climáticas extremas ocorrem em algumas áreas da Terra, condicionando a vida produtiva de um povo e causando fome e migração, é evidente que estas eventualidades produzem conflitos que também se repercutem na estabilidade das relações entre Estados. Não é por acaso que, em 2015, no 70º aniversário do nascimento das Nações Unidas,  falando à Onu, o Papa Francisco salientou que "uma ofensa contra o ambiente é uma ofensa contra a humanidade". A proteção da casa comum é também um tema ligado, portanto, à paz.


    Uma reforma difícil


    O mundo mudou nas últimas sete décadas. Os equilíbrios políticos e econômicos são diferentes dos de meados do século passado. Já não existe uma guerra fria, e os países que antes estavam em lados opostos são agora aliados. Mas entretanto, a ONU ainda está organizada com base nos resultados da Segunda Guerra Mundial. Os poderes que venceram o conflito são membros permanentes do Conselho de Segurança com direito de veto, mas outros países pedem para se juntarem ao grupo. A Alemanha e o Japão, por exemplo, fizeram-no sem sucesso. As decisões da Assembleia Geral não são vinculativas, uma vez que o órgão tem principalmente funções consultivas. Mas uma reforma mais democrática da ONU, de acordo com Luciano Bozzo, não é fácil de conseguir. Um exemplo é a União Europeia, onde se aplica o princípio da unanimidade, onde mesmo um país pequeno pode bloquear uma decisão que é útil para a maioria dos estados membros. A transferência deste procedimento para o nível da ONU - conclui Bozzo - correria o risco de bloquear e complicar o trabalho dos órgãos de decisão da ONU.


    Fonte: Vatican News

    Indique a um amigo
     
     
    Contato
  • Santuário Santa Rita de Cássia


    Rua Padre Dehon, 728 Hauer – Curitiba/PR
  • (41) 3276-2075; (41) 3278-6557 ou (41) 98778-1840
  • santuariodasrosasctba@hotmail.com
  • instagram twitter
     
    Patrocinadores
     

    Copyright © 2021 Santuário Santa Rita de Cássia. Todos os direitos reservados.