• Santuário Santa Rita de Cássia
  • Notícias Gerais
     
     
    08.Mar - Refugiados da guerra na Ucrânia passam de 1 milhão

    A Agência da ONU para os Refugiados (UNHCR/ACNUR) informou que 1 milhão de pessoas deixou a Ucrânia desde o início da invasão russa na quinta-feira, 24 de fevereiro. É o êxodo de refugiados mais rápido deste século. E a menos que haja um fim imediato do conflito, milhões mais ver-se-ão forçados a deixar o país. De fato, a ACNUR estima que os refugiados ucranianos podem chegar a 4 milhões.


    Do início do conflito até a terça-feira, 1° de março, eles eram 874.026. Mais da metade, 51,9%, equivalente a 453.982 pessoas, buscou refúgio na Polônia. Segue-se a Hungria, com 116.348 refugiados, 13,3%, e Moldávia, com 79.315, 9,1%. Outros 69.000 foram para outros países europeus e 67.000 fugiram para a Eslováquia.


    As forças russas continuam bombardeando a segunda maior cidade do país, Kharkiv, e sitiou dois portos marítimos estratégicos. A evacuação em massa pode ser vista em Kharkiv, onde moradores desesperados para escapar de bombas e bombas lotaram a estação de trem da cidade e entraram nos trens, nem sempre sabendo para onde estavam indo.


    Pelo menos 21 pessoas morreram no último dia, disse Oleg Sinehubov, chefe da administração regional de Kharkiv. Vários aviões russos foram derrubados sobre a cidade, de acordo com Oleksiy Arestovich, um dos principais conselheiros de Zelenskyy. "Hoje Kharkiv é a Stalingrado do século 21", disse Arestovich, invocando o que é considerado um dos episódios mais heroicos da história russa, a defesa de cinco meses da cidade dos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial. De seu bunker no porão, o prefeito de Kharkiv, Igor Terekhov, disse à BBC: "A cidade está unida e permaneceremos firmes".


    O Ministério da Defesa da Rússia disse que desativou um centro de transmissão de reserva no distrito de Lysa Hora, cerca de 7 quilômetros ao sul da sede do governo. Ele disse que armas de precisão não especificadas foram usadas e que não houve vítimas ou danos a edifícios residenciais. Uma declaração do Estado-Maior das Forças Armadas da Ucrânia não abordou os ataques, dizendo apenas que as forças russas estavam “se reagrupando” e “tentando alcançar a periferia norte” da cidade.


    “O avanço em Kiev não foi muito organizado e agora eles estão mais ou menos presos”, disse o analista militar Pavel Felgenhauer à AP em Moscou. Em um discurso gravado em vídeo, o presidente ucraniano Volodymyr Zelenskyy pediu aos ucranianos que mantenham a resistência. Ele prometeu que os invasores não teriam “nenhum momento de silêncio” e descreveu os soldados russos como “crianças confusas que foram usadas”.


    O isolamento de Moscou se aprofundou quando a maior parte do mundo se alinhou contra ela nas Nações Unidas para exigir que ela se retirasse da Ucrânia. E o promotor do Tribunal Penal Internacional abriu uma investigação sobre possíveis crimes de guerra. Felgenhauer disse que com a economia russa já sofrendo, pode haver uma “séria crise política interna” se o presidente russo, Vladimir Putin, não encontrar uma maneira de acabar com a guerra rapidamente. "Não há dinheiro real para lutar nesta guerra", disse ele, acrescentando que se Putin e os militares "não conseguirem encerrar esta campanha de forma rápida e vitoriosa, eles estarão em apuros".


    Com os combates continuando em várias frentes em toda a Ucrânia, o Ministério da Defesa britânico disse que Mariupol, uma grande cidade no Mar de Azov, foi cercada por forças russas, enquanto o status de outro porto vital, Kherson, uma cidade de construção naval do Mar Negro de 280.000 habitantes, permanece incerto.


    Os militares da Ucrânia garantem que as forças russas “não atingiram o objetivo principal de capturar Mariupol” em seu comunicado, que não mencionou Kherson. As forças de Putin alegaram ter assumido o controle total de Kherson, que seria a maior cidade a cair na invasão, o que foi contestado por um alto funcionário da defesa dos EUA.


    O prefeito de Kherson, Igor Kolykhaev, disse que soldados russos estavam na cidade e foram ao prédio da administração da cidade. Ele disse que pediu a eles que não atirassem em civis e que permitissem que equipes recolhessem os corpos das ruas. “Nós não temos forças ucranianas na cidade, apenas civis e pessoas que aqui querem viver", disse ele em um comunicado postado no Facebook.


    O prefeito disse que Kherson manterá um toque de recolher estrito das 20h às 6h e restringirá o tráfego na cidade a entregas de alimentos e remédios. A cidade também exigirá que os pedestres andem em grupos não maiores que dois, obedeçam aos comandos para parar e não “provoquem as tropas”. “A bandeira que voa sobre nós é ucraniana”, escreveu ele. "E para que continue assim, essas exigências devem ser observadas."


    O prefeito de Mariupol, Vadym Boychenko, disse que os ataques foram implacáveis. “Não podemos nem tirar os feridos das ruas, das casas e apartamentos hoje, pois o bombardeio não para”, disse ele à agência de notícias Interfax.


    A Rússia relatou suas baixas militares pela primeira vez na guerra, dizendo que quase 500 de seus soldados foram mortos e quase 1.600 feridos. A Ucrânia não divulgou suas próprias perdas militares, mas disse que mais de 2.000 civis morreram, um número que não pode ser verificado de forma independente.


    O estado-maior militar da Ucrânia disse em um post no Facebook que as forças da Rússia sofreram cerca de 9.000 baixas nos combates. Não esclareceu se esse número inclui soldados mortos e feridos. Também disse que a Rússia perdeu 217 tanques e cerca de 30 aviões de guerra e helicópteros. Os números não puderam ser confirmados de forma independente. Em um discurso em vídeo para a nação na quinta-feira, Zelenskyy elogiou a resistência de seu país.


    *Com informações de UNHCR/ACNUR e Agências de notícias


    Fonte: Vatican News

    Indique a um amigo
     
     
    Contato
  • Santuário Santa Rita de Cássia


    Rua Padre Dehon, 728 Hauer – Curitiba/PR
  • (41) 3276-2075; (41) 3278-6557 ou (41) 98778-1840
  • santuariodasrosasctba@hotmail.com
  • instagram twitter
     
    Patrocinadores
     

    Copyright © 2022 Santuário Santa Rita de Cássia. Todos os direitos reservados.